Comunicação

Comunicação

Clipping

Formado em Educação Física, Igor Rabello incentiva colegas e usa aprendizado dentro de campo15/07/2019

Igor Rabello tem apenas 23 anos e chega ao Atlético-MG para ser titular absoluto da defesa alvinegra. Mesmo com a pouca idade, chega com uma grande expectativa e uma bagagem intelectual que poucos jogadores têm. Rabello é formado em Educação Física, tendo completado o curso de licenciatura e bacharelado na disciplina.

Rabello conta como começou a pensar no ensino superior como uma opção para a carreira. Com a cabeça no lugar, esclarece que nem tudo foi fácil, mas contou com a ajuda de todos para superar as dificuldades de conciliar o curso com a carreira.

- Dificuldade sempre tem. Eu comecei o curso quando era da base ainda, indo para o profissional. Logo depois de terminar o colégio. Eu comecei, mas sabendo que poderia acontecer alguma coisa de transferência. Não aconteceu, conseguir levar, primeiro com a licenciatura, que eu fiz três anos e terminei. Quando fiz o bacharel foi mais difícil, que já estava na Libertadores, tinha muitas viagens. Tudo foi conversado com os coordenadores e professores, para alinhar o melhor para mim. Eu consegui terminar a faculdade presencial, também com a ajuda da minha família. Pedia para eles entregarem trabalhos, meus amigos também. Foi um esforço e com certeza valeu a pena.

Igor Rabello vê a formação em Educação Física como um complemento ao que faz no campo e usa o que aprendeu nas salas de aula para o campo. Com cuidado dentro e fora das quatro linhas, o defensor atuou em mais de 60 partidas na temporada passada, no Botafogo.

- Tem que ter preparação, não só aqui no clube, como fora. Tem que preocupar com alimentação e sono. Sou formado em Educação Física e isso me ajuda bastante a prevenir lesões. Joguei 62 jogos, fiquei suspenso de um jogo só, que não merecia. Valeu a pena jogar todos os jogos e me dedicar ao máximo.

Ciente de que o curso foi bastante positivo em sua carreira, o General do Galo já incentiva outros jogadores do elenco a seguir uma carreira acadêmica, conciliando com a profissional.

- É muito bom saber o que você está fazendo no campo, na academia. Às vezes você sabe para quê aquilo serve para você prevenir as lesões. É bom saber e indico. O Stockl e o Lucas vão começar a faculdade agora. Acabei de conhecer e já tô ali em cima deles cobrando, que é bom e tem que fazer. A carreira acaba com 38 anos na média e depois ainda tem vida. Você tem que buscar aprendizado e conhecimento - completou Rabello.



Fonte: Globo Esporte